A espiritualidade não é uma disciplina facultativa.

Grande Fraternidade Branca, Textos

 

A espiritualidade não é uma disciplina facultativa.

“Evidentemente, não é repreensível manifestar interesse e compreensão pelas diversas formas da espiritualidade. O que é perigoso é a pessoa dispersar-se, nunca escolher um método de trabalho interior para se fixar nele.

A questão não está em saber se se deve ser católico, protestante, ortodoxo, muçulmano, budista, taoísta ou nada disto. A questão – e ela põe-se a cada um, crente ou não crente – está em focar-se em algumas verdades espirituais essenciais e aplicar-se para as pôr em prática.

É preciso compreender que a espiritualidade não é uma disciplina facultativa, que se pode escolher ou não, como se faz em relação às línguas de outros países, à arte, ao desporto, etc.

Dada a estrutura do ser humano, a espiritualidade é, para ele, uma necessidade vital e, enquanto ele não tomar consciência desta necessidade, dedicar-se-á a atividades absurdas e até perigosas, para si e para os outros.

Tal como está construído, o ser humano tem uma necessidade essencial de encontrar alimentos para a sua alma e para o seu espírito e de se nutrir com eles todos os dias.”

Omraam Mikhaël Aïvanhov

Pensamento 20/12/17

www.prosveta.com

 

 

Dominguinhos - O Céu é o limite.
Zé do Coco - O Carnaval e a Quaresma.
Zé do Coco - A missão de cada um.
A Verdade adormecida por tantas eras e eras.
O Princípio EU SOU.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *