A hora é chegada

Textos

Jesus, chamado

 

Muitos são convidados, mas poucos, escolhidos.  (Mt 22:14)

A HORA É CHEGADA.

Se você quiser,  pode ficar onde está e como está, a perder tempo.

Se você quiser,  pode continuar inconsciente e sem rumo,  sem rota, sem objetivo, perdendo tempo e perdendo-se dentro do tempo.

O homem desperto, graças a longas experiências decisivas, já elegeu seu rumo e está irreversivelmente a caminho.

A viagem redentora é na direção de dentro, dentro de nós.

Ali se encontra o Senhor, o próprio Brahma, Ser Absoluto.

Yoga é o rompimento de grilhões, de condicionamentos e de dependência. É libertação.

Yoga é vitória sobre as trevas. É iluminação.

Yoga é reencontro com o Ser-Verdade. É divinização.

Yoga é esforço, luta e vitória.

É o partir, o caminhar e o chegar.

Há modos diferentes para vencer distâncias, na estrada para Deus.

Se o que mais nos afasta de Deus e nos vincula ao mundo é o nosso imperfeito amar, é a nossa incapacidade para o verdadeiro amor, o nosso caminhar tem de ser não contra o mundo, mas a favor de Deus.  Serão a universalização e a divinização de nosso amor que poderão cortar as amarras de servidão e dar-nos, na unificação com o Deus que amamos, a libertação salvadora. A isto se chama Bhakti Yoga.

Se o que nos tem frustrado a sede de felicidade e nos tem amargurado e retido é nosso agir egoístico e alienante, nosso caminhar consistirá em divinizar nossa atuação no mundo de Deus, e, assim, unir-nos ao Deus do mundo. A isto se chama Karma Yoga.

Se o que nos empobrece e amesquinha é a ilusão de sermos antiDeus, padecendo uma distância frustradora imensa, nosso caminhar precisa ser no rumo da sabedoria, buscando a “verdade que liberta”. A isto se chama Jnana Yoga.

De um lado, o mau humor, a má ação e o mau conhecimento nos fazem egoístas e sofredores. De outro, o Yoga, como processo integral de divinização do amar, do atuar e do conhecer, é o caminho redentor.

Não é exatamente isto o que Cristo ensinou, exemplificando?

Ele insistiu: “Amai a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a vós mesmos”.

Ele nos prometeu:  “ Conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará”.

Ele determinou:  “Aquilo que quereis que vos façam, fazei  vós aos outros”.

Ele nos acordou com benditos açoites de Sua Verdade. Desafiou-nos a “tomar a cruz” e a segui-Lo. Foi-nos exemplo perfeito de discernimento (viveka), de desapego (vairagya), de devoção-amor (Bhakti), de ação perfeita (karman), de sabedoria (jñana), de bravura e resignação (tapas), de autoentrega ao  Pai (Isvarapranidhana)…

Eis por que peço a Jesus, o Cristo, que me torne como um shela, que seja meu divino Guru.

Vamos, você e eu, realizar o Yoga que o Cristo sempre foi e jamais deixará de ser?

Vamos pedir aos grandes sábios e aos santos da Índia que nos elucidem sobre o que ainda não percebemos perfeitamente na imortal mensagem cósmica de Jesus?

Vamos pedir que Jesus, que nos dá amor, nos ajude a entender Krishna, Buda e todos os outros que também ensinaram?

Vamos romper barreiras e realizar uma vida ecumênica, no bendito redil do Pastor?

Vamos, amigo, aprender e praticar, até chegar ao Nirvana e podermos dizer: “Eu e Pai somos Um!”.

Autor: Hermogénes

Livro “Yoga, Caminho para Deus”.  Ed. Nova Era.

 

 

Ramatís - Diamante
Pena Branca - A Confiança.
Saint Germain - O Principal Mandamento Eterno.
Zé do Coco - A Luz em você.
A hora da mudança.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *