Zé do Coco – Sem culpa.

Grupo de Estudo Luz Divina, Textos

sem culpa

 

…Essa comunhão conosco pode ser em qualquer lugar. Não precisa baixar. Vocês falam que a gente baixa em vocês. Nós não baixamos em ninguém. Eu não baixo em meu menino. Eu estou aqui perto, pensando e as minhas palavras que eu emano energeticamente, ele consegue pôr para fora com a voz dele.

Muitas vezes a gente faz a mesma coisa com vocês mas não vai precisar ficar falando sozinho na rua. Vocês vão entender pela sua capacidade de perceber pelos seus pensamentos, pela tua consciência, as informações além daquilo que você estava pensando… do que você estava questionando… É assim.

Vocês não fazem escutador naquele quadrado no ouvido¹? É a mesma coisa só que não tem (ninguém)… tem eu falando, tem outros falando, tem a tu alma falando…

Mas quem está escutando se a cabeça não para? Tagarela. Tem gente que fala sozinha de tanto que a mente não para. blá blá blá… falando sozinho. Andando e falando sozinho. Tem um monte. E fala, fala, fala, fala, fala…

A cabeça não para. E fala, fala, fala. Não está falando com ninguém. É ele com ele e aquele monte de gente na cabeça dele e a boca vai falando.

Aí depois fala que sou eu. Eu não sou não! Nem obsessor porque o obsessor não consegue. Não consegue, ele já é o próprio obsessor dele de tanto que fala sozinho e não para de pensar um minuto.

Não para com a cabeça, não presta atenção no que fez há 2 minutos antes. Vocês não se desconectam das coisas.

Tem que ser firme: <<Agora chega, terminei. Vou fazer outra coisa. Não vou fazer nada! Para mim já deu. Chega! Cabeça vai dormir.>>

(…)

Dependendo da sintonia que a gente vai tendo, quando você toma consciência que nós existimos, a sua escolha de permitir ou não (o contato), vai se aproximando.

Tem outras pessoas que não acreditam nessa comunicação extrafísica e nem por isso deixa de ter.

Tem um povo que fala que nós somos coisa ruim, não é? Eles têm guardiões também.

Mas tem gente que não acredita em nada, ateu. Ele vai seguir o caminho dele, vai  também no processo evolutivo dele.

E aí, certo ou errado, a única coisa que eu peço para vocês é que não se culpem.

Deu certo sem que você tenha buscado uma força superior ou uma ajuda energética a qual acredita? Quem não acredita, tem lá as suas crenças.

Faça. Deu certo? Agradeça. Não deu certo? Não se culpe. Não se maltrate por não ter dado certo. Não se maltrate.

E se aquela pessoa fez e  não deu certo, não culpe a ela. Apoie para ela tentar de novo.

– Eu não te avisei?

Você não avisou nada, você não tem obrigação de avisar. Se lhe perguntou é uma coisa, não perguntou? não deu certo? Vamos tentar de novo para dá certo? Já aprendeu que não dá certo assim, né?

Vocês têm que largar a culpa, solta as culpas da vida de vocês que tudo vai dá certo, (isso) lhe ajuda!

(…)

Hoje eu vim falar disso, eu não quero culpa! Sem culpa.

– Não Zé, nós estamos confiantes!

Não, eu não estou falando dessa culpa de agora, estou falando da culpa que você carrega.

(…)

Ninguém prospera se tem culpa, pode ver a história de quem tem prosperidade. Tem prosperidade mas errou quantas vezes? Quantas vezes bateu a cabeça? Quantas vezes tentou e errou? Vê se ele se culpou. Se tivesse se culpado não tinha tentado outras vezes até acertar e agora está próspero.

(…)

A vida tem lei, meu povo, a-vi-da-tem-lei. Lei da vida. O fluxo da prosperidade são as mudanças contínuas do melhor.

A culpa é o tal do pecado do que você fez pela inocência muitas vezes. Mas você percebe aquilo e carrega pela vida inteira!

Sabe a cruz que o povo fala que você carrega? É uma culpa. Tomem cuidado com essas coisas que vocês falam. Vocês adoram esses provérbios. Vocês adoram essas frases assim… prontinhas… que tem sempre um sofrimentinho no meio.

A culpa destrói a alma que quer manifestar o bem em você. Perguntem aí para vocês quando estiverem em silêncio quais são as culpas que vocês têm na vida? Vai vim um monte de imagens. Vai vim um monte! Presta atenção em cada uma e ver  quantos porcentos de culpa você tem daquilo.

Gente, se vocês entenderem isso que estou falando… Nossa! Vai ser uma bênção na vida de vocês! Nossa! Vocês vão ficar aliviados.

– Mas eu fiz Zé, não deu certo… eu errei.

Parabéns meu filho que você errou, olha aí a chance de você fazer certo na próxima. Mas sem culpa! Sem culpa!

– Ah! Eu tenho culpa porque não tentei…

Não tentou, não tentou. Acabou. Sem ajoelhar no milho. Não precisa ajoelhar no milho. Você não tentou? Tá bom! Tá bom, tudo bem.

Se você não falar ‘tudo bem’ a culpa vai vim te atormentar dizendo que você não fez porque você é assim… você é assado… você não presta porque fez assim…

Como você vai prosperar se na sua cabeça tudo que você tenta e se inspira  em fazer, ela tem uma coisa que fala assim: ‘você vai errar e depois vai se sentir culpado, não dá certo’?

Presta atenção. Não tem culpa de nada, o que fiz, fiz e acabou. E o que vou fazer, certo e errado, sem culpa também. Está tudo certo. Eu estou aprendendo porque aqui escolhi passar por isso.

Eu tenho uma alma para me guiar. Tenho amigos de luz, amigos espirituais, guias… o nome que você quiser dá! Nós estamos aqui para  ajudar. É só pedir com humildade porque a  humildade é o maior pagamento que você nos dá.

Nós somos humildes também para reconhecer que a nossa oportunidade de lhe servir é um pagamento nosso dos erros que cometemos.

Nós queremos acompanhar esse jovem (Jeferson) e essa jovem por toda essa existência. E é pouco ainda! É pouco! De nós estarmos aqui por tudo que na nossa existência nós fizemos de bom ou ruim, sem culpa de servir vocês!

E não é nada demais servir o próximo. Vocês vão saber, vocês estão aprendendo a saber a hora de fazer isso sem esperar nada em troca. Vai ser tão natural… Já está sendo!

Mas a gente sempre vai lembrar a importância que vocês têm que dá para vocês primeiro.

– Ah! Mas você só pensa em você!

– Quando sobrar um tempinho quando eu for servir para o outro, se você tiver eu te ajudo.

– Eu tenho um tempinho para você, quer prosear? Vamos prosear.

– Oh! Agora eu não tenho um tempinho para você, me dá um tempinho que a gente  já proseia sobre isso aí.

– Quer uma ajuda disso? O que eu posso  te ajudar eu vou, o que eu não posso, não posso.

Sem culpa! Sem culpa.

– Eu posso te ajudar agora.

– Agora não posso.

Sem culpa. Está me ouvindo? Sem culpa. Hoje, a reunião é ‘sem culpa’.  Se vocês entenderem isso… Padim Cícero eu agradeço, se eles entenderem isso já tá bom!

Quando eu estiver livre das culpas eu me perdoei. Simples assim.

Todo mundo quer perdão, todo mundo quer perdoar. Mas se aquela culpa tiver lá dentro… Tudo de boca para fora.

Agora, quando você entende que você não deve carregar essa culpa e que você não tem culpa pelo problema que você tem… eu me perdoo e te perdoo também. Olha que coisa boa.

Se deu certo? Bem, vou fazer melhor depois. Se não deu? Sem culpa.
Porque se eu faço, não dá certo e não aceito, eu me culpo, carrego uma mancha e uma energia ruim… aí eu me irrito, me torno o negativo da turma, contamino as pessoas e me intrigo com outras pessoas.

Aí todo mundo está contra você, a vida está contra você porque você está contra você. Porque você não aceitou uma situação que era simples, que não deu certo, tudo bem. Mas o teu orgulho não aceita, você errou. Porque você não foi bom o suficiente, porque você não provou para o outro que você pode. Você é a certa.

Cuidado. Cuidado com as artimanhas da mente. Cuidado… Vocês tomem cuidado. Errou? Tudo bem, mas sem culpa a partir de hoje. Porque quando eu estou livre da culpa, estou no Bem comigo e aí tudo flui para mim. Tudo flui para mim! É isso que importa.

Faça suas escolhas, tente. Mas não deu certo ou não era bem aquilo? Não tem problema vamos tocar para outro porque oportunidade nesta vida tem. E tem muita. Eu não quero saber o que está acontecendo aí para vocês desse povo doido, não quero saber. Tem, tem… é você que está na frequência, ou não, das oportunidades. É você! É você que comanda, é você que atrai, é você que faz acontecer.”

Zé do Coco – guardião espiritual

Canalizado por Jeferson Roz em 21/07/16.

¹. Celular

O texto é uma conversa do Zé do Coco com as pessoas presentes na reunião. Foi editado e levemente alterado para melhor compreensão. As palavras entre parênteses não constam na canalização. A reunião pode ser ouvida no blog grupodeestudolluzdivina.blogspot.com.br arquivada pela data de 21/07/16.

Fazem parte também desta reunião os posts:
“André Luiz – Um novo amigo.”
“Zé do Coco – A comunicação com o guardião.”

Transcrição e postagem Nilma Braga.

 

 

Pena Branca - O compromisso com a Espiritualidade.
Boiadeiro Jonas - O que é divino em mim?
O. M. Aivanhov - Entidades maléficas.
O. M. Aïvanhov - Os seres humanos e os animais.
O. M. Aïvanhov - Tempo perdido.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *